Coração de papel


Quero um coração de papel, estou de saco cheio desse aqui cheio de músculos e transbordando sentimentos. Se meu coração fosse de papel, toda vez que alguém machucasse ele eu passaria o ferro bem quente em cima e o faria ficar bonitinho novamente. Ia ser lindo. Agora esse aqui dentro do meu peito demora a se curar. Ele é todo machucado e mesmo quando você passa Merthiolate, ainda existe todo um procedimento. A cicatrização é demorada e o processo é lento. Coração bobo, que às vezes aguenta uma tempestade, caladinho, mas chora quando te machucam com aquela gota d´água. Coração de menina que precisa ser cuidada, mas que vive passando batom e caindo do salto alto, só porque quer ser um coração de mulher destemida e determinada. Carne é assim, meu bem. Corta lá aquele pedaço de bife pra você ver se ele volta ao normal na mesma hora. Não volta não! Talvez com o tempo até se regenere, mas dependendo do tamanho do corte, já era! Então não dá pra você ir e vir, morder e depois soprar. Não dá pra você amassar meu coração e depois desamassar, hora que você bem quiser ou bem entender. Decida-se. Porque ele é de carne e músculo, matéria bruta, todo desajeitado, mas que uma vez machucado, sangra e sofre caladinho. Pode trazer o remédio quando o arrependimento bater, não tem problema. Mas ele vai ficar cheio de cicatriz e feridinhas feias, sabia? Pois é, mas parece que o mundo inteiro não sabe. Agora se meu coração fosse de papel, tudo seria mais fácil. Você passaria o ferro nas minhas feridas e as levaria embora. Mas coitadinho, está aqui sozinho, na esperança de um dia encontrar o remédio que o faça ser totalmente curado.

23.02.12
by:Jessy M

0 comentários:

Postar um comentário